generic cialis 20mg
canadian online pharmacy rx
canadian online pharmacy lowest prices
canadian online pharmacy no prescription needed

Directório Associados

Conheça aqui os Associados da APISOLAR, as suas áreas de actuação, localização e contactos.

Consultar directório

275x200_banner_site4

Últimas Notícias

Versão para impressão
PDF
19
Jan

Estagnação ou queda em 2014

Após um decréscimo médio de 30% nos últimos anos, o mercado português do solar térmico deu sinais de estabilização em 2014. Todavia, a faceta mais cautelosa das previsões da Associação Portuguesa da Indústria Solar - APISOLAR - aponta para a possibilidade de uma ligeira quebra de mercado.


Estabilização ou, no pior cenário, uma quebra ligeira que pode chegar aos 7%. Será um destes o desfecho provável para o mercado solar térmico nacional em 2014. A previsão menos positiva, que se baseia numa análise do Observatório Solar Térmico (OST) da Associação Portuguesa da Indústria Solar (APISOLAR), antevê que, no final de 2014, a nova área total instalada se situe nos 53 415 m2 (37 391 kWth) e a área acumulada nos 1 077 491 m2 (754 193 kWth). Tendo como referência estas previsões apontadas no OST, ficam por instalar cerca de 1 137 000 m2 até 2020, para se atinguir o objectivo definido pelo Plano Nacional para a Eficiência Energética e Energias Renováveis (PNAER) de 2 214 282 m2. Para o efeito, a APISOLAR apela ao governo que "adopte, com a maior brevidade, programas e medidas ajustados ao perfil de consumo dos portugueses que permitam alavancar o sector solar térmico nos próximos seis anos". E, assim, permitam o crescimento médio anual de 11.5%, até 2020, necessário para o cumprimento das ambições nacionais.

Artigo completo

Fonte: Edifícios e Energia

Versão para impressão
PDF
19
Jan

"O principal impacto virá das regras de etiquetagem energética"

"Uma grande oportunidade, mas também um desfio" é como Pedro Dias, secretário-geral da Federação Europeia para a Indústria Solar Térmica (ESTIF), encara os regulamentos para a rotulagem energética e concepção ecológica de produtos que consomen energia (ErP). A partir de Setembro, as regras passam a ser válidas também para o solar térmico.

A partir de Setembro, os fabricantes de sistemas solares térmicos são obrigados a cumprir com a ErP. O que vai mudar?

Muita coisa irá mudar, mas não só no que se refere aos sistemas solares térmicos. Os regulamentos que entrarão em vigor em Setembro de 2015 regulam a rotulagem energética e o ecodesign (concepção ecológica) de aquecedores de ambiente, aquecedores combinados, sistemas mistos e aquecedores de água e reservatórios de água quente, os chamados LOT 1 e LOT 2. Estes regulamentos aplicam a este tipo de produtos duas directivas que promovem a eficiência energética. Estas duas leis comunitárias complementam-se e promovem de maneiras diferentes a redução de energia consumida pelos produtos: para ecodesign define requisitos de eficiência energética para produtos, e a rotulagem energética visa sensibilizar os consumidores sobre a eficiência energética de tais produtos. A primeira é dirigida aos fabricantes e a segunda aos consumidores. A rotulagem energética é a mais visível, pois regula a informação aos consumidores e já bem conhecida a sua aplicação a produtos como frigoríficos ou máquinas de lavar. Como se pode verificar, as mudanças serão bastante significativas para o aquecimento de água e ambiente. E, mais adiante, haverá também requisitos para equipamentos que usem biomassa.

Artigo Completo

Fonte: Edifícios e Energia

Versão para impressão
PDF
19
Jan

Ecodesign e etiqueta energética obrigatórios em setembro

Requisitos para a concepção ecológica dos equipamentos e a sua classificação através de uma etiqueta energética são, a partir de Setembro deste ano, obrigações a cumprir também pela indústria solar térmica.

A 26 de Setembro deste ano, a energia solar térmica passa a estar sugeita a novas regras: a concepção ecológica, ou ecodesign, e a etiqueta energética. A exigência surge no seguimento de duas directivas europeias - requisitos de concepção ecológica dos produtos relacionados com o consumo de energia (2009/125/CE) e a rotulagem energética (2010/30/UE) - em linha com os objectivos 20-20-20 de Bruxelas, que apontavam para a redução de 20% da emissão de gases com efeito de estufa, 20% de eficiência energética e 20% de energias renováveis no mix energético até 2020. Ambos os regulamentos foram encarados como instrumentos essenciais para o alcançar de tais metas.

Artigo completo

Fonte: Edifícios e Energia

FacebookTwitterLinkedin
RENWA16-500x300-ENL2

Apisolar

CALENDÁRIO EVENTOS

Junho 2017
D S
28 29 30 31 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 1

Galeria Associados

galeria

Novo Associado

         helexia

Sondagem APISOLAR

Deixe-nos a sua opinião sobre o novo site
 

Contacte -nos

APISOLAR - Associação Portuguesa da Indústria Solar


Travessa dos Inglesinhos nº 52, r/c sala 3
1200 – 223 Lisboa


GPS (38°42'46.0"N 9°08'47.1"W)


Tel.: (+351) 910 309 010

Email: apisolar@apisolar.pt