generic cialis 20mg
canadian online pharmacy rx
canadian online pharmacy lowest prices
canadian online pharmacy no prescription needed

Notícias ST

Versão para impressão
PDF
18
Dez

Etiquetagem é o maior desafio do solar térmico em 2015

Escrito por Cláudia Mendes.

Etiquetagem__o_maior_desafioNa antevisão do próximo ano, a implementação da regulação comunitária da etiquetagem de sistemas solares térmicos será o maior desafio para o sector. Quem o afirmou foi Pedro Dias, secretário-geral da ESTIF – Federação da Indústria Solar Térmica Europeia, por ocasião da assembleia-geral da entidade, a 5 de Dezembro, em Bruxelas.

Fonte: Edifícios e Energia

Versão para impressão
PDF
05
Ago

TIM II e TIM III

Escrito por Joana Freitas.

TIM II e TIM III – Técnicos de Instalação e Manutenção de edifícios e sistemas, esclarecimento sobre o enquadramento das novas candidaturas ao título profissional

Foi publicado hoje no sítio da DGEG o esclarecimento abaixo sobre o TIM II e III:

Por referência ao enquadramento dos novos quadros profissionais do Sistema de Certificação Energética (SCE), previsto nos termos conjugados do Decreto-Lei n.º 118/2013 e Lei n.º 58/2013, ambos datados de 20 de agosto, e com vista à salvaguarda da posição dos candidatos a TIM 2 e TIM 3 com nível 2 do Catálogo Nacional das Qualificações (CNQ) completo (curso eletromecânico concluído após 30 de novembro de 2011) ou nível 4 do CNQ completo (curso técnico de refrigeração e climatização concluído após 30 de Novembro de 2008), assim como os novos candidatos a TIM 2 ou TIM 3 a frequentar nível 2 ou 4, do CNQ, a 1 de Dezembro de 2013, a Direção-Geral de Energia e Geologia e a ADENE-Agência para a Energia, na qualidade, respetivamente, de entidades fiscalizadora e gestora do SCE, determinam que os candidatos que se encontram nas situações atrás descritas poderão apresentar junto da entidade gestora, o requerimento para emissão de título profissional e respetivo registo, instruído com os seguintes elementos:

- Comprovativo, emitido pela entidade formadora, de que à data da frequência do respetivo curso, a instituição tinha o reconhecimento da Direção-Geral de Emprego e das Relações de Trabalho;

- Experiência profissional mínima de:
  • Dois anos na área da eletromecânica de refrigeração e climatização, para os
    candidatos a TIM II;
  • Três anos na área de refrigeração e climatização, para os candidatos a TIM III.

- Documentação enunciada no artigo 6º da Portaria nº 66/2014, de 12 de Março.

- Os candidatos a TIM 2 e TIM 3, sem experiência profissional, com nível 2 do CNQ completo (curso eletromecânico concluído após 30 de Novembro de 2011) ou nível 4 do CNQ completo (curso técnico de refrigeração e climatização concluído após 30 de Novembro de 2008), assim como os novos candidatos a TIM 2 ou TIM 3 a frequentar nível 2 ou 4, do CNQ, a 1 de Dezembro de 2013, serão sujeitos a avaliação por via de exame realizado pela entidade gestora do SCE.

Versão para impressão
PDF
21
Maio

Podemos chegar aos 120.000m2

Escrito por Cláudia Mendes.

O mercado solar térmico nacional regrediu, em 2013, para números semelhantes aos de 2007. O sector acredita que não há mais por onde descer e a verdade é que um novo regulamento que obriga ao uso de tecnologia nos edifícios de serviços pode ajudar a dinamizar o mercado. No entanto, diz a indústria, faz falta voltar a falar do solar térmico aos portugueses.

Em 2013 foram instalados em Portugal 57.234 m2 (40.064Kw) de novos colectores solares térmicos. Um número que, embora muito abaixo do potencial do país, não traz surpresas e representa uma nova queda do mercado: uma variação negativa de 37% relativamente a 2012. Um reflexo directo da conjuntura económica e, em particular, da fraca actividade da construção.

Do lado da indústria, há a convicção de que o mercado está no limite e não pode cair mais. Sendo assim, são apenas duas as hipóteses para 2014: ou estagna ou cresce.

Notícia Completa

Fonte: Edifícios e Energia

Versão para impressão
PDF
18
Mar

Uma queda que é preciso travar

Escrito por Cláudia Mendes.

Portugal é um dos países da Europa com maior incidência de radiação solar. Por cá, o número médio anual de horas de sol é de, aproximadamente, 2500. É por isso que o solar térmico assume importância no nosso país e no âmbito de uma política nacional e europeia de energias renováveis. Os especialistas consideram que o solar térmico pode representar um contributo importante no cumprimento da política europeia 20-20-20.

A crise económica que tem afectado o modelo de negócio de muitas empresas não tem ajudado. No final de Janeiro a associação do sector, a APISOLAR, emitiu um comunicado onde defendia a importância de o enquadramento legislativo ter em conta os pequenos produtores. Um texto que publicamos neste dossier dedicado ao tema (ver abaixo). E na verdade, em 2013, o mercado registou uma quebra significativa, muito à custa da crise financeira.

Fonte: O Instalador

Versão para impressão
PDF
25
Fev

Mercado solar térmico cai 37% em 2013

Escrito por Cláudia Mendes.

Mercado_solar_trmico_cai_37_em_2013O mercado de solar térmico nacional caiu 37%, no ano passado, em relação a 2012. É o que revela a análise do Observatório Solar Térmico (OST), disponibilizada hoje pela Associação Portuguesa da Indústria Solar (APISOLAR).

Os mais recentes dados revelam que o último trimestre de 2013 foi o melhor, superando todos os outros períodos do ano, com 57.234 m2 (40.064 kWth) de capacidade instalada - mas ainda assim ficou aquém dos resultados de 2012. Apesar disso, o decréscimo não foi tão acentuado quanto se previa num dos relatórios trimestrais da APISOLAR – que estimava uma diminuição de 55% das novas instalações.

Fonte: Edifícios e Energia

FacebookTwitterLinkedin

CALENDÁRIO EVENTOS

Dezembro 2014
D S
30 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3

Galeria Associados

galeria

          FEE_-_Lista_de_empresas_Solar_Trmico

Contacte -nos

APISOLAR - Associação Portuguesa da Indústria Solar

APISolar | CoworkLisboa
LxFactory
Rua Rodrigues Faria, nº 103
Edifício I, 4º piso
1300-501 Lisboa


GPS (38.702160, -9.178188)


Tel.: (+351) 218 053 890
Tlm.: (+351) 961 853 071

Email: apisolar@apisolar.pt